cadastrar

descadastrar

 

 

espanhol

inglês
ARTIGO  de INÊS CAVALIERI 

SADOMASOQUISMO          

O sadomasoquismo está ligado ao prazer sexual obtido através do sofrimento.

A justificativa médica é de que os nervos sensoriais das regiões genitais, tanto masculinos como femininos, são os mesmos que transmitem sensações de dor e prazer.

O sadomasoquismo é considerado dentro da psiquiatria como sendo uma Parafilia (para = desvio; filia = atração) ou transtorno da conduta sexual em que há preferência por atividades sexuais que impliquem dor, humilhação ou subserviência. Comumente, os indivíduos com esse transtorno obtêm a excitação sexual por comportamentos tanto sádicos como masoquistas.

Se o sujeito prefere ser o objeto de tal estímulo, fala-se de masoquismo.  Se prefere ser o executante, trata-se de sadismo.

          Sadismo é um desvio sexual. É a busca de prazer sexual através do sofrimento imposto à pessoa que lhe faz companhia. É o prazer com o sofrimento alheio.

O nome sadismo é derivado do “Marquês de Sade” (1740-1814). Era um francês muito rico, que gostava de ser chamado de Marquês, e que tinha fantasias sexuais ligadas à violência, entregando-se a orgias. Tinha exaltação do sexo violento e selvagem.

Masoquismo é a incapacidade para obter prazer sexual sem sofrimento.  É sentir prazer com a dor.

O termo masoquismo foi utilizado pelo psiquiatra alemão Richard Von Krafft-Ebing  no seu livro “Psycopathia Sexualis”, em 1885. O termo foi originado no escritor Leopold von Sacher-Masoch, que via no sofrimento um atrativo singular e achava a tirania e a crueldade  afrodisíacos poderosos.

A partir dessas definições, podemos dizer que, após a revolução sexual, vários conceitos foram modificados.  Atos que não eram permitidos passaram a ser aceitos, como no caso específico do sadomasoquismo, em que a visão tornou-se um pouco diferente.

Hoje não é correto considerar o sadomasoquismo como parafilia, pois se é realizado com a permissão do outro e não causa danos a ninguém, passa a ser uma realização sexual satisfatória dando prazer a ambos.  

Entretanto, quando sádicos atacam parceiros que não deram permissão, é tomado como tortura, violência sexual e estupro. Deixando de ser prazeroso para quem é submetido ao sofrimento.

        Na relação sexual, o que vale é a comunicação entre os parceiros, para que conheçam as suas preferências e fantasias, para terem uma vida sexual plena.

Inês Cavalieri

Terapeuta Sexual